Armadilha para macacos!

Publicado: 21 de maio de 2015 em Sem categoria
A parábola dos Macaquinhos

A parábola dos Macaquinhos

Muitas vezes na vida, deparamo-nos com a seguinte pergunta: “Oras, por que eu tenho que fazer isto (seja o que for o significado da palavra “isto”) desta forma?”. Muitas vezes, a resposta é um pouquinho áspera: “Oras bolas! Porque sempre foi assim!”.

Esta resposta embute alguns pequenos detalhes. Por exemplo, denota que o seu interlocutor não tem a menor idéia do porquê as coisas têm que ser feitas desta ou daquela forma. Denota ainda, que nosso amigo esta simplesmente repetindo aquilo que ele mesmo observou anteriormente, sem ao menos se perguntar: “Oras… mas por quê?”.

Esta passividade pode ser muito bem expressa na seguinte história que é muito ilustrativa…

Imagine um experimento de laboratório onde 5 macaquinhos serão colocados em uma jaula. Esta jaula possui em seu centro uma pequena escadinha que tem em seu cume um cacho de bananas. Preso a este cacho, existe um mecanismo que ao ser acionado (quando uma banana é retirada, por exemplo) dispara um forte jato de água gelada na parte de baixo da jaula.

Ao serem colocados na jaula os macaquinhos tentarão se ambientar em seu novo lar. Não demorará muito e um deles perceberá o cacho de bananas. Quando a forme apertar, naturalmente um dos macacos subirá pela escada e puxará uma banana. Neste momento o mecanismo do jato d’água será acionado, molhando todos os outros macaquinhos.

Um segundo macaquinho poderá fazer o mesmo. E até mesmo um terceiro. Neste ponto, cansados de tomar jatos gelados de água, os demais macaquinhos impedirão o outro macaco de subir dando-lhe uma bela surra se necessário. A partir deste ponto, todo macaco que tentar subir pela escada será espancado pelos demais, até que após algumas semanas de tentativas frustradas (e muitas surras), nenhum dos macacos subirá pela escada. Afinal de contas, eles sabem muito bem o porquê: se pegar banana, é porrada na certa.

Suponha que após algumas semanas neste aparente equilíbrio, um dos macacos é substituído por um macaco novato. Após se ambientar e obviamente reparar no cacho de bananas, o novo macaquinho tentará subir pela escada para pegar a banana. Seus companheiros de jaula, já prevendo um banho impedem o macaquinho com uma bela surra. Repare que neste ponto da história, nosso novo macaquinho, não tem a menor idéia do motivo da surra. Após mais algumas tentativas frustradas – com direito a muitas surras – o valente macaquinho desiste de buscar a banana e tudo retorna ao equilíbrio.

Vamos supor ainda que um segundo macaquinho será substituído. O processo se repete e aquele macaquinho que apanhou sem saber muito bem porque, desta vez ajuda a bater no novo colega com bastante disposição. Perceba que nosso primeiro macaquinho não tem a menor idéia do motivo pelo qual está batendo.

Por fim, vamos supor que este processo de substituição dos macaquinhos ocorrerá até que não reste nenhum dos macaquinhos originais. Neste ponto da experiência, vamos acrescentar um pouco de realismo mágico a história…

Substituiremos mais um macaquinho, e daremos a cada um deles a capacidade de falar. Suponha que este novato tente como todos os outros buscar uma banana. Será surrado como todos os outros… Neste momento, ele perguntará ao mais antigo (o primeiro que entrou após os cinco macacos iniciais): “Mas porque vocês me bateram? Só porque eu subi a escada?”. Eis que nosso macaco, no alto de sua sabedoria e conhecimento responderá com toda a autoridade de veterano de jaula: “Bom, meu amigo… desde que entrei as coisas são assim por aqui. E quando um novo colega entrar, você deverá fazer o mesmo”. O novato então perguntará: “Oras, mas por que devo fazer assim?”.

E o nosso macaquinho, com um leve sorriso, responderá: “Oras bolas! Porque sempre foi assim!”.

Imagem

O Projeto de Lei (PL) n.º 1572/2011, em tramitação na Câmara dos Deputados regulará entre outros assuntos, as operações no comércio on-line. De acordo com Thiago Carvalho, advogado mestre em direito processual civil e especialista em direito empresarial e tributário, o novo projeto se propõe a suprir a lacuna legislativa existente, em relação ao comércio eletrônico. “De fato, a ausência de uma legislação específica gera insegurança jurídica e um número exacerbado de litígios. Por isso, o Novo Código Comercial indica que será considerado comércio eletrônico, quando as partes se comunicarem e contratarem por meio de transmissão eletrônica de dados, inclusive quando se tratar de prestação de serviços, incluídos os bancários”, explica ao E-Commerce News.

O advogado acrescenta ainda que a nova proposta legislativa também responsabiliza os sites que se destinam a intermediação de negócios, caso uma das partes descumpra as suas obrigações. “A lei também obriga os empresários a informar e cumprir a política de privacidade. Certamente tais garantias impulsionarão o desenvolvimento do setor, além de conferir uma maior segurança às operações realizadas”, avalia.

Ele destaca ainda que atualmente o comércio eletrônico somente é reconhecido no âmbito da relação empresário-consumidor, sendo esta, regulada pelo Código de Defesa do Consumidor, enquanto as atividades entre empresário-empresário continuam sem nenhuma legislação específica. “Desta forma, a positivação destas leis é muito bem vinda, pois certamente impulsionarão o desenvolvimento do setor, já que, diante da inexistência de leis específicas, os juízes têm aplicado a lei civil e empresarial de forma analógica, pois são obrigados a dar uma solução a todos os litígios submetidos. Todavia, tal situação gera uma grande insegurança jurídica, pois os empresários não sabem de antemão a quais leis estão submetidos, consequentemente, há um desincentivo para o desenvolvimento do setor”, conclui.

 

Fonte: E-commerce News

A expectativa da consultoria e-bit é que o comércio eletrônico fature R$ 20 bilhões em 2011, um crescimento de 30% em relação a 2010. Entretanto, é preciso que o empreendedor online fique atento à questão da confiabilidade nos processos de pagamento, já que, assim como toda transação virtual, há riscos, regras e prazos a serem cumpridos. De acordo com a CyberSource, o valor dos golpes em transações on-line no mundo está em torno de US$ 10 bilhões ao ano – no mercado brasileiro o total supera US$ 500 milhões. E, se o site não transmitir confiança ao consumidor virtual logo na primeira venda, certamente, sua credibilidade ficará prejudicada.

“Apesar das diversas ferramentas disponíveis hoje para assegurar proteção ao consumidor, muitos sites desconhecem ou ignoram estes processos de segurança. Consequentemente, o consumidor acaba se sentindo inseguro em efetivar sua compra pela internet”, afirma Robson Tavarone, sócio e diretor comercial do site de compras coletivas Ótima Oferta, que permite ao consumidor acesso a todas as normas do site e ao valor dos descontos. O pagamento é realizado por meio da operadora Pagamento Digital, pois, dessa forma, caso a oferta não atinja o número mínimo de compradores, o site irá ressarcir o consumidor que já havia efetuado o pagamento.

“Além disso, a Pagamento Digital não repassa dados financeiros aos vendedores, garantindo proteção ao consumidor, já que, de posse desses dados, o fraudador pode roubar a identidade do consumidor e efetuar compras em seu nome.” Outra vantagem, segundo ele, é que, ao realizar uma compra on-line em uma loja credenciada, existe a opção de bloquear o pagamento, caso o consumidor não receba o produto em até 14 dias.

Garantia de sigilo é essencial para a segurança da operação

Para evitar eventuais problemas nas transações financeiras, Robson Tavarone aponta as seguintes dicas:

Proteja os dados financeiros do cliente: Para garantir sigilo nos dados confidenciais, como números de cartões de crédito, aposte na tecnologia SSL, que exige que uma conexão segura seja negociada entre o navegador do cliente e o servidor web de uma empresa. Depois dessa negociação, todas as comunicações de dados são criptografadas com as chaves de 56 bits (alta) ou 128 bits (muito alta) – está última, utilizada pelo Ótima Oferta.Proteja as informações pessoais do cliente: Além de proteger dados financeiros, é essencial que o site armazene as informações pessoais do cliente em um banco de dados seguro.Disponibilize no site todas as informações necessárias ao cliente: Facilite ao cliente o acesso à política de privacidade, às normas do site e às informações quanto à entrega, troca e devolução.Ofereça diversos meios de pagamento: Permitir que o cliente efetue o pagamento por meio de cartão de crédito, saldo virtual, boleto bancário e transferência on-line transmite tranquilidade e maior confiança.Disponibilize canais de contato: Ofereça diferentes opções de contato do cliente com o site como telefone, chat, e-mail e redes sociais. Permita que o cliente escolha qual a melhor forma de contatar a empresa.
Ao desenvolver um projeto para sites de compras coletivas, leve essas dicas em consideração.

Fonte: E-Commerce News

Projeto de Lei define critérios de comercialização para sites e parceiros
31/05/2011 12:42

O Projeto de Lei (PL) 1232/2011, do deputado federal João Arruda (PMDB/RJ), propõe regulamentar as compras coletivas e definir critérios de comercialização tanto para os sites que atuam com esta modalidade do comércio eletrônico como para os estabelecimentos que realizam parcerias comerciais com os sites. Dentre as exigências sugeridas na proposta estão a obrigatoriedade de as empresas indicarem no site ou no anúncio de ofertas a quantidade mínima de compradores para a concretização da venda; o prazo do comprador para usufruir da oferta; o endereço e telefone da empresa responsável; entre outras.

Para Robson Tavarone, sócio e diretor comercial do site de compras coletivas Ótima Oferta, o projeto será uma excelente oportunidade para tornar a atividade ainda mais atrativa aos estabelecimentos comerciais, já que, hoje, muitos dos envolvidos neste negócio ainda não têm seus processos bem alinhados e preparo para lidar com a estratégia, gerando insatisfação tanto por parte do consumidor como da empresa que estabelece a parceria comercial com o site.

“O projeto promete impor normas que serão decisivas para orientar os sites e os estabelecimentos a utilizarem a compra coletiva da forma mais produtiva possível, seguindo à risca seus procedimentos de modo a deixar todas as partes envolvidas beneficiadas e satisfeitas. Neste sentido, temos orgulho pelo fato de o Ótima Oferta estar totalmente adequado às normas do PL 1232/2011, já que sempre primamos pela excelência na prestação de nossos serviços”, afirma Tavarone.

Muito se tem falando em Compras Coletivas nos últimos meses, mas a pergunta que não quer calar é: Veio realmente para ficar? Ou é apenas mais uma febre da internet?

A resposta é bem simples e categórica! Não só veio para ficar como já é uma realidade no Brasil, como já é no Exterior!

As compras coletivas caíram realmente no gosto do povo brasileiro, porque já é nosso costume brigar e “chorar” por descontos em todas as compras que fazemos.

A realidade das compras coletivas é tão grande em nosso país, que grandes empresas e pessoas famosas estão desenvolvendo ou entrando em sociedade a essas empresas. Entre esses casos podemos citar o apresentador Luciano Huck que comprou 5% do Peixe Urbano.

Também temos o caso do Google que tentou comprar o site número 1 do mundo nesse segmento, que é o Groupon, por US$ 6 bilhões de Dólares. Tendo a empresa recusado a oferta, querendo assim manter a linha e postura de estratégia que atua desde o início.

Nós da Agência Vibe, que também temos uma visão muito realista desse segmento de mercado do Comércio Eletrônico, também estamos apostando nossas fichas nesse segmento. Aonde lançaremos no dia 05/01/2011 nacionalmente o site de compras coletivas www.OtimaOferta.com.br, com o diferencial de atendermos aos usuários como atendemos hoje aos clientes da agência. Com muito carinho e dedicação. Tanto que nossos consultores da área comercial somente estão trazendo Ofertas de Verdade para todos.

Os números não mentem, já é público e notório que esse segmento está a todo o vapor e a cada dia crescendo mais. O que vejo nesse segmento daqui para frente é justamente cada uma das grandes empresas como a nossa em um futuro muito breve começar a apostar em Nichos de Mercado. Criando Sub-Sites por assim dizer com ofertas geradas somente dentro daquele tipo de segmento. Um exemplo é criar um Sub-site aonde será ofertado somente Clínicas de Estéticas, SPAS etc…

Sendo assim o próprio consumidor ficará muito atento aquele tipo de oferta que está exposta e será muito mais fácil dele poder achar nessa imensidão da WEB o que ele realmente procura.

Um bom exemplo é que hoje já existem sites que já estão anunciando os produtos em um Funil para a cidade de São Paulo dividindo a mesma em Blocos por Zona de atuação.

Quem sai ganhando com toda essa inovação é o consumidor que irá comprar produtos ou serviços de qualidade a preços inacreditáveis. Não perca a oportunidade de visitar o site do Ótima Oferta em janeiro. www.OtimaOferta.com.br

O Site Blindado, empresa especializada em segurança para web sites focada no e-commerce, anunciou que está disponibilizando uma ferramenta gratuita desenvolvida pela companhia que permitirá aos usuários detectarem se uma determinada plataforma está protegida ou não de vulnerabilidades. Através dela os usuários saberão se o site está seguro antes de acessarem o link, evitando que um site comprometido danifique seu computador.

Para incentivar o download e promover sua marca que é fortíssima neste segmento o Site Blindado concebeu um Hot Site somente para esta finalidade, bastando ao usuário apenas baixar e instalar em seu navegador, com suporte ao Internet Explorer e Firefox. Depois de finalizado este procedimento, sempre quando for realizada alguma busca no Google o Plug-in se encarrega de apontar aqueles sites que são considerados pela empresa como seguros, e aqueles classificados como inseguros.

Para o diretor do Site Blindado, Mauricio Kigiela, esta ferramenta se trata de uma inovação importante para o mercado de e-commerce brasileiro, colaborando para que o medo presente em muitos consumidores que evitam esta modalidade de comércio somente por não se sentirem seguros seja eliminado.

 “Isso é um marco na história da segurança na internet. O consumidor ainda é resistente a compras pela web por conta da segurança e agora terá muito mais facilidade na hora de checar a confiabilidade de um portal antes do clique em qualquer loja virtual. A iniciativa visa algo muito maior: democratizar a internet e agir em prol do crescimento do comércio eletrônico, uma vez que estamos trazendo ferramentas que incentivam o consumo online e de forma segura”, explica Mauricio Kigiela, Diretor da Site Blindado S/A. Para acessar o Hot Site clique aqui

Fonte: Site E-Commerce News http://ecommercenews.com.br

Fecomercio altera metodologia da PCCV e, em parceria com a e-bit, passa a acompanhar o e-commerce na Região Metropolitana de São Paulo

O comércio eletrônico faturou R$ 7,8 bilhões no Brasil de janeiro a julho deste ano, um crescimento de 41,2% em comparação ao mesmo período do ano passado. Esse faturamento supera o total de vendas dos shoppings centers da Grande São Paulo, no mesmo período, estimado em R$ 7,2 bilhões. Os dados resultam de uma pesquisa desenvolvida pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) em parceria com a empresa e-bit.

A maior presença do e-commerce no varejo levou a Fecomercio a rever a metodologia de apuração da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), desenvolvida mensalmente desde 1970. A partir de agora, o comércio eletrônico passa a ser acompanhado como um segmento do varejo, denominado, dentro da pesquisa, como “e-PCCV”.

“Sempre dentro do objetivo de se manter moderna e adequada ao perfil do varejo, a PCCV vem sofrendo, ao longo dos anos, atualizações técnicas e metodológicas, buscando preservar o seu reconhecido grau de precisão e de confiabilidade, em função da dinâmica que caracteriza o segmento comercial e que exige aprimoramentos constantes”, afirma o diretor executivo da Fecomercio, Antonio Carlos Borges. “Incorporamos na PCCV o faturamento acompanhado pela e-bit nas transações de vendas efetuadas pela internet como forma de reconhecimento à crescente e inegável expressividade que o segmento vem assumindo no âmbito do varejo brasileiro”, acrescenta.

O processo de incorporação dos dados relativos ao e-commerce na PCCV exigiu uma revisão profunda da metodologia, o que permitiu viabilizou a apresentação de informação inédita em levantamentos de conjuntura varejista: o volume mensal estimado das vendas, em valores monetários, para todas as atividades pesquisadas pela PCCV e e-bit. Dessa forma, chegou-se ao valor de R$ 55,62 bilhões o faturamento total do varejo na Grande São Paulo nos sete primeiros meses do ano, expansão de 10% sobre o mesmo período do ano anterior.

De acordo com o diretor de marketing e produtos da e-bit, Alexandre Umberti, a parceria estabelecida é positiva para os dois lados. “A presença da e-bit em indicadores importantes como os da Fecomercio consolida ainda mais a empresa como referência em informações de e-commerce, além de acrescentar ao PCCV números importantes de um mercado que vem ocupando um espaço cada vez maior na economia brasileira”, afirma o executivo.

O e-commerce movimentou R$ 1,25 bilhão, de janeiro a julho de 2010, na RMSP, alta de 29,3% ante igual período de 2009. Em julho, o segmento correspondeu a 2,3% do total das vendas na Grande São Paulo. “Estima-se que o comércio eletrônico cresça na ordem de 30% ao ano e, se isso acontecer, nos próximos dois anos as vendas desse segmento tendem a superar as de lojas de departamentos e de móveis e decoração. O comércio eletrônico deixará de ser, no futuro, a nona força do varejo paulista para ficar em sétimo lugar”, projeta Borges.

As estimativas da e-bit indicam que o comércio eletrônico deve fechar o ano de 2010 com um faturamento da ordem de R$ 14,3 bilhões, uma expansão de 35% em relação ao ano anterior. Como referência, esse valor supera, segundo cálculos da Assessoria Econômica da Fecomercio, 10% superior a o orçamento do Programa Bolsa Família de 2010; a soma dos orçamentos anuais de cinco ministérios (Comunicações, Cultura, Meio Ambiente, Esportes e Turismo), e também representa 6,5 vezes o orçamento anual do Ministério da Cultura; corresponde à venda 350 mil veículos; e equivale ao valor gasto, anualmente, por todas as famílias brasileiras com roupa feminina; e maior do que a despesa total das famílias do País com gás doméstico.

Para o total do varejo na Grande São Paulo em 2010, a Fecomercio projeta um crescimento total de 7% (6,6% no varejo tradicional e 25% no eletrônico). A única variável que pode comprometer tal prognóstico, alerta a Assessoria Econômica da Federação, é a prorrogação por um prazo muito extenso do ciclo de altas na taxa básica de juro, contaminando, assim, os custos dos empréstimos para pessoas físicas.

Nos primeiros sete meses do ano, as lojas de eletrodomésticos e eletroeletrônicos registraram as maiores altas no varejo da Grande São Paulo, com expansão de 23,8% nas vendas em relação ao mesmo período de 2009. Em seguida, com alta de 15,7% na mesma base comparativa, veio o setor de vestuário, tecidos e calçados. Considerando o faturamento, os supermercados lideram o varejo da RMSP, ao atingir R$ 18,98 bilhões, elevação de 4,7% ante o mesmo período do ano passado.

De acordo com a Assessoria Econômica da Fecomercio, a prolongada continuidade, em níveis positivos, dos indicadores determinantes do consumo – renda, emprego, crédito, inflação e confiança do consumidor – e a ausência de ameaças a esse cenário, no curto prazo, mantêm e mantiveram as vendas em níveis aquecidos no primeiro semestre e em julho passado, dando um tom otimista para o desempenho do comércio até o final deste ano.

Fonte: E-Bit