Mercado Digital

Publicado: 6 de janeiro de 2008 em E-commerce

Fonte: Revista Isto é Dinheiro

A ressurreição
E não é que a Telebrás está realmente ressuscitando? O governo esperou a véspera de Natal e, em dois comunicados ao mercado, anunciou um aporte de R$ 200 milhões para a antiga holding do sistema de telefonia brasileiro, privatizado há dez anos. A função da estatal agora será atuar na universalização da internet de banda larga pelo País, sobretudo junto às escolas públicas. Por conta disso, as ações da empresa, que nada valiam, passaram a ser cotadas a R$ 0,41.

O Brasil na tela fina
Dados divulgados pela Suframa confirmam o que se vê nas lojas de eletrodomésticos de todo o País. A produção de televisores LCD e plasma deu um salto espetacular no ano passado. O número de aparelhos de tela fina que saíram das linhas de montagem saltou mais de 300%. Mesmo assim, essa tecnologia, que timidamente já começa a ser substituída em países desenvolvidos, ainda fica longe dos velhos televisores com tubo, cuja produção superou 8,8 milhões contra mais de 750 mil unidades de tela slim.

 

Uma vitória de US$ 30 milhões
Depois de uma briga de um ano, cujo desfecho ocorreu na Justiça de Nova York, a Software AG, segunda maior empresa de software da Europa, vai vender diretamente seus produtos no mercado brasileiro. Desde a década de 70, a Consist atuava como sua representante por aqui e não aceitou o encerramento do contrato de exclusividade. O caso foi parar nos tribunais. Com a vitória, a Software AG acrescentará algo em torno de US$ 30 milhões ao seu faturamento.

“Nós estragamos tudo, mas estamos felizes com o que aprendemos com isto. Não repetiremos.”
Hector Ruiz, o otimista CEO da AMD, segunda maior fabricante mundial de chips, sobre os resultados ruins da empresa em 2007

PRATELEIRA

TECLADO STRIKE COMBAT –
da Leadership, com design arrojado e funções para games. Por R$ 258
CARREGADOR UNIVERSAL TUMI – tecnologia USB para recarregar qualquer tipo de celular, câmera e PDA. Por US$ 95

A próxima onda
Até agora, não passou de promessa, mas o comércio via celular deverá se tornar realidade em 2008. Segundo a curitibana Fazion, que desenvolve sistemas para telefonia móvel, o volume de compras por esse canal representará de 5% a 10% do varejo eletrônico no País, que, em 2007, atingiu cerca de R$ 6,5 bilhões. Prova disso é que a Fazion acaba de fechar dois grandes contratos, com o Pão de Açúcar e o HSBC.

Se a moda pega…
Primeiro foi a Samsung. Agora, é o grupo chinês TPV, dono da marca AOC, que anunciou a transferência de sua fábrica de monitores de Manaus para o Estado de São Paulo. Em ambos os casos, trata-se de um efeito da guerra fiscal entre Estados para atrair investimentos na área de eletroeletrônicos. Os paulistas resolveram elevar a alíquota do ICMS de 12% para 18% para os produtos fabricados na Zona Franca de Manaus. Com isso, deixou de ser vantajoso manter linhas de produção tão distantes do maior mercado consumidor do País.

Resposta Instantânea
Cássio Dreyfuss, vice-presidente de pesquisas do Gartner, líder em pesquisas e análises sobre tecnologia da informação.

O que vai acontecer de novo no mercado de TI em 2008?
A grande novidade serão os “Mashups”, também conhecidos como aplicações complexas de internet. Cada vez mais, as empresas irão tirar proveito dos recursos já existentes na web e empacotar serviços para entregar aos clientes.

O sr. poderia citar exemplos do uso dessa tecnologia?
Amazon e Apple são dois exemplos de empresas que usam “Mashups” de forma inteligente. Na Amazon, todo sistema de entrega é da Fedex, ou seja, a Amazon se beneficia do expertise e da infra-estrutura de logística da Fedex em vez de criar algo novo. O mesmo acontece com a Apple. No iPhone, ao utilizar os mapas de localização, acessa, na realidade, o recurso do Google.

Além dessa tecnologia, o que mais teremos de novo em 2008?
Teremos um aumento no desenvolvimento de tecnologias colaborativas via web. Presenciaremos também uma preocupação muito maior com o meio ambiente. A onda do “Green IT” vai crescer e aumentará a preocupação com a redução dos danos ao meio ambiente e com a dissipação de calor.

Mais uma de Jobs
Outro golpe no setor de videolocadoras – e, agora, ele vem de Steve Jobs. A Apple e a 20th Century Fox anunciam ainda este mês uma parceria para alugar filmes produzidos pelo estúdio. O download poderá ser feito pelo site do iTunes, o que permitirá o acesso por intermédio do iPod ou de computadores. A Fox pretende colocar até mesmo lançamentos à disposição dos internautas.

Os comentários estão desativados.