Compra na internet também é com elas

Publicado: 23 de outubro de 2008 em E-commerce

As mulheres já se equiparam aos homens em compras de produtos nas lojas virtuais, em 50% a 50% do número de pessoas que fazem tal operação – chegando a ultrapassá-los em alguns meses deste ano segundo dados da e-bit. Em 2000, elas representavam 37% desse universo. Segundo a consultoria, esse número pode ser explicado pela rotina da mulher moderna, que trabalha fora, cuida da casa, das compras e ainda estuda. Conseqüentemente, essas consumidoras buscam ganhar tempo e dinheiro.

E, geralmente, encontram isso na rede, já que alguns produtos são mais baratos do que nas lojas tradicionais e não é necessário bater pernas em shopping para realizar a pesquisa de preços. Basta um clique.

A análise se baseia no crescimento da contribuição feminina para o rendimento familiar, que aumentou 56% no último censo de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), paralelamente à sua maior participação nas compras virtuais.

Mas, surpresa: as mulheres ainda gastam menos que os homens nessas compras virtuais. Enquanto eles gastam por compra, em média, R$ 375, elas gastam R$ 272.

O segredo está no tipo de objetos que preferem consumir. Enquanto os homens optam majoritariamente por artigos de informática e eletrônicos, as mulheres buscam livros, artigos de beleza e saúde e para cama, mesa e banho.

A biomédica Rafaela Arabe, 27 anos, comprou um telefone recentemente pela rede e também utiliza o meio para consumir eletrônicos e produtos de beleza, além dos livros da faculdade, que somente encontra em livrarias especializadas. Porém, diz que já diminuiu a freqüência por cautela. “O pós-venda às vezes deixa a desejar. Tive um problema com uma máquina digital, procurei o Procon e ganhei a causa”, conta. “Agora, só compro coisas que não dêem tanto trabalho, como secador de cabelo”.

Os fatores que faz em com que Rafaela e outras consumidoras ouvidas optem pelo meio são sempre dois: preço e comodidade. “Na internet tenho mais tempo para pesquisar e na loja não tem tudo”, diz.

Há quem vá mais além. De livros até a compra de 20 itens apenas na mudança de apartamento, a assistente administrativa Cristiane Fernandes Araújo, 27 anos, não esconde sua predileção pela rede para adquirir objetos como ferro de passar , máquina de lavar, liquidificador, batedeira e jogo de lençol. “Há boas promoções. Costumo comprar em sites confiáveis, que podem oferecer a opção de entregar tudo em casa, sem frete e rapidamente.”

A analista de sistemas Rosemary Zanatta, 36 anos, também elogia os negócios na rede, principalmente depois que sua filha, hoje com 2 anos, nasceu. Ela chega a comprar, em média, cinco itens por mês nas lojas virtuais. “Hoje faço compras no supermercado pela internet e compro brinquedos. Assim, uso mais meu tempo com coisas que têm realmente importância, como ficar com minha filha”, completa.

Até a beleza tem endereço na rede. Rosemary também compra cosméticos profissionais, que não encontra em lojas e são mais caros nos salões.

Marília Almeida

Jornal da Tarde – SP

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s