Arquivo da categoria ‘Como montar loja virtual’

Fecomercio altera metodologia da PCCV e, em parceria com a e-bit, passa a acompanhar o e-commerce na Região Metropolitana de São Paulo

O comércio eletrônico faturou R$ 7,8 bilhões no Brasil de janeiro a julho deste ano, um crescimento de 41,2% em comparação ao mesmo período do ano passado. Esse faturamento supera o total de vendas dos shoppings centers da Grande São Paulo, no mesmo período, estimado em R$ 7,2 bilhões. Os dados resultam de uma pesquisa desenvolvida pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) em parceria com a empresa e-bit.

A maior presença do e-commerce no varejo levou a Fecomercio a rever a metodologia de apuração da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), desenvolvida mensalmente desde 1970. A partir de agora, o comércio eletrônico passa a ser acompanhado como um segmento do varejo, denominado, dentro da pesquisa, como “e-PCCV”.

“Sempre dentro do objetivo de se manter moderna e adequada ao perfil do varejo, a PCCV vem sofrendo, ao longo dos anos, atualizações técnicas e metodológicas, buscando preservar o seu reconhecido grau de precisão e de confiabilidade, em função da dinâmica que caracteriza o segmento comercial e que exige aprimoramentos constantes”, afirma o diretor executivo da Fecomercio, Antonio Carlos Borges. “Incorporamos na PCCV o faturamento acompanhado pela e-bit nas transações de vendas efetuadas pela internet como forma de reconhecimento à crescente e inegável expressividade que o segmento vem assumindo no âmbito do varejo brasileiro”, acrescenta.

O processo de incorporação dos dados relativos ao e-commerce na PCCV exigiu uma revisão profunda da metodologia, o que permitiu viabilizou a apresentação de informação inédita em levantamentos de conjuntura varejista: o volume mensal estimado das vendas, em valores monetários, para todas as atividades pesquisadas pela PCCV e e-bit. Dessa forma, chegou-se ao valor de R$ 55,62 bilhões o faturamento total do varejo na Grande São Paulo nos sete primeiros meses do ano, expansão de 10% sobre o mesmo período do ano anterior.

De acordo com o diretor de marketing e produtos da e-bit, Alexandre Umberti, a parceria estabelecida é positiva para os dois lados. “A presença da e-bit em indicadores importantes como os da Fecomercio consolida ainda mais a empresa como referência em informações de e-commerce, além de acrescentar ao PCCV números importantes de um mercado que vem ocupando um espaço cada vez maior na economia brasileira”, afirma o executivo.

O e-commerce movimentou R$ 1,25 bilhão, de janeiro a julho de 2010, na RMSP, alta de 29,3% ante igual período de 2009. Em julho, o segmento correspondeu a 2,3% do total das vendas na Grande São Paulo. “Estima-se que o comércio eletrônico cresça na ordem de 30% ao ano e, se isso acontecer, nos próximos dois anos as vendas desse segmento tendem a superar as de lojas de departamentos e de móveis e decoração. O comércio eletrônico deixará de ser, no futuro, a nona força do varejo paulista para ficar em sétimo lugar”, projeta Borges.

As estimativas da e-bit indicam que o comércio eletrônico deve fechar o ano de 2010 com um faturamento da ordem de R$ 14,3 bilhões, uma expansão de 35% em relação ao ano anterior. Como referência, esse valor supera, segundo cálculos da Assessoria Econômica da Fecomercio, 10% superior a o orçamento do Programa Bolsa Família de 2010; a soma dos orçamentos anuais de cinco ministérios (Comunicações, Cultura, Meio Ambiente, Esportes e Turismo), e também representa 6,5 vezes o orçamento anual do Ministério da Cultura; corresponde à venda 350 mil veículos; e equivale ao valor gasto, anualmente, por todas as famílias brasileiras com roupa feminina; e maior do que a despesa total das famílias do País com gás doméstico.

Para o total do varejo na Grande São Paulo em 2010, a Fecomercio projeta um crescimento total de 7% (6,6% no varejo tradicional e 25% no eletrônico). A única variável que pode comprometer tal prognóstico, alerta a Assessoria Econômica da Federação, é a prorrogação por um prazo muito extenso do ciclo de altas na taxa básica de juro, contaminando, assim, os custos dos empréstimos para pessoas físicas.

Nos primeiros sete meses do ano, as lojas de eletrodomésticos e eletroeletrônicos registraram as maiores altas no varejo da Grande São Paulo, com expansão de 23,8% nas vendas em relação ao mesmo período de 2009. Em seguida, com alta de 15,7% na mesma base comparativa, veio o setor de vestuário, tecidos e calçados. Considerando o faturamento, os supermercados lideram o varejo da RMSP, ao atingir R$ 18,98 bilhões, elevação de 4,7% ante o mesmo período do ano passado.

De acordo com a Assessoria Econômica da Fecomercio, a prolongada continuidade, em níveis positivos, dos indicadores determinantes do consumo – renda, emprego, crédito, inflação e confiança do consumidor – e a ausência de ameaças a esse cenário, no curto prazo, mantêm e mantiveram as vendas em níveis aquecidos no primeiro semestre e em julho passado, dando um tom otimista para o desempenho do comércio até o final deste ano.

Fonte: E-Bit

O faturamento do comércio eletrônico deve fechar 2010 com R$ 15 bilhões

 O Índice e-bit / Internet Segura atingiu 87,29% nos meses de julho e agosto, o melhor desempenho desde fevereiro de 2009, quando o número começou a ser divulgado. O resultado empatou com o recorde anterior, também de agosto do ano passado. De acordo com a camara-e.net (Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico) e com a consultoria e-bit, que medem o índice de confiança, o faturamento do comércio eletrônico deve fechar 2010 com R$ 15 bilhões, contra R$ 10,8 bilhões em 2009 e R$ 850 milhões em 2001.

O indicador de confiança do e-consumidor reflete a média de satisfação das pessoas que fizeram compras em lojas de comércio eletrônico conveniadas com o programa de avaliação da e-bit. Hoje, o Brasil conta com 70 milhões de usuários de internet, sendo que 43 milhões possuem conta de internet banking. Dados de 2009 dão conta ainda de que o País tem 17,2 milhões e–consumidores, mas esse número deve crescer para 23 milhões ao final deste ano.

Para o estudo, consumidores são convidados a responder duas pesquisas de satisfação: a primeira após realizarem uma compra em uma das 2.500 lojas conveniadas à e-bit e outra imediatamente após a entrega do produto. O total de questionários recolhidos passa de 1 milhão.

Fonte: PEGN – http://revistapgn.globo.com

Por meio dessa rede de contatos profissionais, pequenas empresas contatam clientes, divulgam seus serviços e captam investimentos para seus negócios

Há aproximadamente um ano, o português Fernando de Freitas trocou seu cargo de diretor numa empresa do ramo de plásticos para empreender em um negócio próprio. Trouxe para o Brasil um braço da Harco, empresa europeia que comercializa insumos químicos. Um dos maiores desafios de Freitas e, talvez, da maioria dos pequenos e médios empresários, vem sendo entrar no mercado, estabelecer contato com potenciais clientes e conseguir vender o seu produto. No caso da empresa de Freitas, a Harco, o mercado para seu produto é muito restrito, e seus principais clientes são grandes companhias, como a Petrobras.

A solução encontrada pelo empresário para chegar até essas empresas foi utilizar o LinkedIn, uma rede social mundial, lançada em 2003 nos Estados Unidos, voltada exclusivamente para contatos profissionais. Basicamente, Freitas criou um perfil, alimentou o espaço com vasto material de divulgação do produto que sua empresa oferece e enviou mensagens para diretores, presidentes e gerentes de grandes empresas – como a Petrobrás – que poderiam abrir portas para ele. A princípio, a tática parece um tanto quanto simples, entretanto, para a empresa de Freitas os resultados foram mais do que satisfatórios: ele recebeu respostas positivas de cerca de 70% das mensagens que enviou.

Participação brasileira no LinkedIn
O LinkedIn atualmente reúne mais de 75 milhões de usuários cadastrados em todo o mundo. O grupo detentor da rede detectou no Brasil uma grande oportunidade de ampliar esse número e lançou, em abril deste ano, a versão em português do site, que já conta com mais de 2 milhões de usuários. “Acreditamos muito no mercado brasileiro. Muitos empresários estavam nos perguntando sobre esse país, queriam fazer negócios com o Brasil e entrar em contato com empresas e profissionais daqui”, comenta Arvind Rajam, vice-presidente de operações internacionais do LinkedIn.

Esse portal de relacionamentos pode ser uma importante ferramenta para esses empresários, uma vez que disponibiliza uma série de recursos de grande utilidade para esse público. Além do seu perfil profissional, o usuário tem acesso a grupos de discussões, pode buscar pessoas específicas cadastradas na rede usando diferentes filtros, entre outras coisas. “Apostamos no LinkedIn pois é uma ferramenta que possibilita aos pequenos empresários entrar diretamente em contato com pessoas-chave de outras empresas, que, talvez, eles demorassem muito para conseguir contatar”, explica Rajam. Esse foi o caso de Freitas. “Eu consegui entrevistas, marquei reuniões e até já fechei contratos. Tudo por intermédio dessa rede”, conta.

Entretanto, facilitar o contato direto com grandes companhias não é a única oportunidade que essa rede pode proporcionar ao pequeno empresário. No LinkedIn há um espaço destinado a rodadas de debates e discussões de temas relacionados ao mundo empresarial. “As empresas estão buscando sempre experts nas mais variadas áreas. Mostrar as suas qualificações e participar dos debates de forma séria, com respostas que agreguem, é um excelente passo para o sucesso”, diz Rajam. Esse tipo de interação realmente funciona. Freitas conta que, por meio da participação em debates e rodadas de discussão via LinkedIn, foi contatado por uma empresa americana e agora, além de gerir a Harco, também presta serviços de consultoria para essa companhia.

Recentemente, um caso chamou a atenção dos membros da rede. Por meio do LinkedIn, Frank Hannigan, um empresário escocês, enviou 700 mensagens para possíveis investidores. Em uma semana recebeu 200 respostas, e após 8 dias já tinha conseguido uma quantia de US$ 230 mil (aproximadamente R$ 400 mil) para tocar o seu negócio. O brasileiro Alberto Blanco, diretor da Grudaemmim, uma agência de comunicação e relacionamento digital, passou por uma situação semelhante. Ele foi contatado, via LinkedIn, por duas empresas de venture capital querendo investir em seu negócio. “Esses investidores são focados em empresas de redes sociais e, por meio do meu perfil, chegaram até o meu negócio”, conta. O contrato ainda está em fase de negociação, mas a ponte que o LinkedIn fez entre a empresa de Blanco e os investidores, sem dúvida, contribuiu muito para que o processo fosse mais ágil.

Em tempos de globalização e da explosão dos contatos via internet, ferramentas como essa podem funcionar como verdadeiros catalisadores de negócios. Abordar uma pessoa que você ainda não conhece pelo LinkedIn é uma boa ideia quando você está abordando a pessoa certa. “Basicamente, tudo o que uma rede de contatos como essa faz é aumentar o potencial e o alcance das pequenos e médias empresas”, finaliza Rajam.

Fonte: Site PEGN – http://revistapegn.globo.com

Segundo análise da agência PictureWeb, quase 62% dos entrevistados afirmaram que deixam de seguir empresas quando se irritam com ações de comunicação mal elaboradas

 Perguntas respondidas por 270 usuários do Facebook em uma análise realizada pela agência de comunicação digital PictureWeb revelou que 54,81% deles “curtem” alguma empresa na rede social. Dentre os entrevistados, quase 27% disseram que a “relevância de conteúdo” é a principal razão para seguir uma empresa nessa rede. “Interesse por produtos ou serviços” foi a segunda justificativa apontada (22,78%), à frente de “admiração pela marca” (17,72%) e “acompanhar lançamentos e tendências” (15,61%). O “interesse por promoções” foi o motivo apontado por apenas 3,8% dos participantes.

O levantamento foi realizado entre seguidores da agência e seus respectivos amigos. Deles, 4,44% são presidentes de empresas, 24,81%, diretores e 20,74%, gerentes. “O Facebook tem se mostrado uma ferramenta de comunicação extremamente eficiente para ações corporativas, especialmente por ter um público mais qualificado em relação às redes mais populares”, afirma Marcelo Abdo, diretor executivo da agência. Segundo ele, o objetivo deste levantamento é apontar a relevância do Facebook para a realização de ações digitais corporativas.

Entre as ações que mais irritam os seguidores de empresas no Facebook, foram apontadas a repetição e a grande quantidade de posts, além da falta de atualização, o que leva 61,73% deles a deixarem de seguir a marca. “De nada adianta uma empresa conquistar seguidores para perdê-los pouco tempo depois. Por isso, é preciso manter uma comunicação adequada e periódica”, diz Abdo.

Questionados sobre participações em outras redes sociais, mais de 85% das pessoas afirmaram utilizar diferentes sites: Twitter (34,46%), Orkut (26,40%) e LinkedIn (25,28%). MySpace, Sonico e outras somaram 13,87% das respostas.

Fonte: Site PEGN www.globo.com/pegn

 

De acordo com pesquisa “WebShoppers”, faturamento do setor foi de R$ 6,7 bi, aumento de 40% em relação aos R$ 4,8 bi do 1º semestre de 2009.

Os primeiros seis meses do ano foram aquecidos para o comércio eletrônico no Brasil. De acordo com dados da 22ª edição do relatório “WebShoppers”, elaborado pela e-bit, com o apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), o faturamento do setor foi de R$ 6,7 bilhões, aumento de 40% em relação aos R$ 4,8 bilhões do primeiro semestre de 2009.

Depois de passar praticamente inabalado pela crise global que afetou a economia do final de 2008 até meados de 2009, o e-commerce vem se fortalecendo. 

Segundo o diretor geral da e-bit, Pedro Guasti, o primeiro semestre do ano foi turbinado pela Copa do Mundo. “A primeira metade de 2010 foi excelente em faturamento. Com certeza, a Copa influenciou os resultados, já que as pessoas adquiriram produtos de maior valor agregado, como TVs de tela plana. Além disso, por conta do final da redução do IPI, os consumidores decidiram antecipar a compra de produtos de linha branca para aproveitar impostos ainda reduzidos”, disse Guasti.

As categorias de produtos mais vendidas no 1º semestre foram: ‘Livros e Assinaturas de Revistas e Jornais’;‘Eletrodomésticos’; ‘Saúde, Beleza e Medicamentos’ e ‘Informática’ e ‘Eletrônicos’. A compra média foi de R$ 379. 

De acordo com a pesquisa, o setor caminha a passos largos para mais um recorde de faturamento, já que, historicamente, a segunda metade do ano é geralmente mais relevante e pode representar até 55% do faturamento total do canal. No 2º semestre, espera-se que as lojas virtuais alcancem R$ 7,6 bilhões em vendas de bens de consumo – isso sem incluir a venda de automóveis e sites de leilão virtual. 

Com isso, a projeção é que o faturamento seja de R$ 14,3 bilhões ao final de 2010, um crescimento de 35% em relação a 2009, quando o setor faturou cerca de R$ 10,6 bilhões. Esses números também superariam a previsão inicial feita pela e-bit e março, de R$ 13,6 bilhões.

Em 2010, o número de pessoas que fizeram pelo menos uma compra na internet deverá aumentar consideravelmente, diz o estudo. A projeção é de 23 milhões de e-consumidores. Ao final de 2009, a e-bit havia registrado 17,6 milhões. Na última Copa do Mundo, na Alemanha, havia apenas 6 milhões de “e-shoppers”.

De acordo com os dados levantados pela e-bit, cerca de 55% dos e-consumidores que fizeram uma compra pela internet estimulados por rede social são mulheres, o que pode indicar maior propensão do público feminino em ser seduzido pelas ofertas ou recomendações nesse canal. 

No comércio eletrônico em geral, a divisão é igual: 50% são homens, 50% mulheres. Em relação  à idade, os compradores provenientes de redes sociais são, em média, sete anos mais jovens  que os do mercado: 34 contra 41. A categoria preferidas dos e-consumidores vindos de redes sociais é “Moda e acessórios”, com cerca de 20% do volume.

Pesquisa de resistência a compra

Nessa edição do relatório, a e-bit preparou uma pesquisa sobre resistência à compra, além dos principais motivos que levam o e-consumidor a não finalizar o pedido.  

O estudo descobriu que, entre os e-consumidores que visitaram sites e decidiram não comprar produtos, 62% disseram ter consultado preço, valor do frete ou o custo total, além de ter procurado por promoções e descontos. 

Dos entrevistados, 86% disseram que apenas olharam alguns itens e saíram da loja, não chegando a começar o processo de compra. Já 14% disseram que deram inicio, mas acabaram não concluindo o procedimento. 

Para o diretor de Marketing da e-bit, Alexandre Umberti, acompanhar esse tipo de comportamento dos consumidores é de suma importância para as lojas online. “Conhecer os motivos pelos quais seus consumidores abandonam a compra pode ser uma maneira eficaz de evitar perda de receita, além de permitir traçar estratégias interessantes para fidelizar o novo e-consumidor, que está acessando o site pela primeira vez”, diz Umberti.

Fonte: Redação IDG Now

A expectativa é de um crescimento de 35% no faturamento em relação a 2009

A trajetória de crescimento do comércio eletrônico continua em ritmo acelerado. Após um primeiro semestre aquecido, principalmente em função da Copa do Mundo, que trouxe diversas ofertas para o e-consumidor, o setor agora volta suas expectativas para o Dia dos Pais.

De acordo com a e-bit, empresa especializada em informações de e-commerce, as lojas virtuais devem movimentar R$ 590 milhões no Dia dos Pais deste ano, o que representaria um acréscimo de 35% em relação a 2009, quando o faturamento foi de R$ 437 milhões.

Segundo a e-bit, esse crescimento deve ocorrer porque os filhos costumam presentear os pais com produtos de maior valor agregado, como eletrônicos de grande e pequeno porte (televisores, MP3 players, aparelhos de som e DVD, câmeras digitais, barbeadores, etc.) e artigos de informática e acessórios automotivos.

No entanto, para facilitar o pagamento das compras de valor mais elevado, os filhos podem tirar proveito do prazo mais elástico, uma das conveniências do varejo eletrônico, que pode chegar a até 18 vezes sem juros.

Fonte: Site Pequenas Empresas Grandes Negócios – PEGN

Dados da empresa americana CyberSource se referem ao setor no mundo. No mercado brasileiro, o valor gira em torno de US$ 500 milhões.

Um levantamento produzido pela CyberSource, empresa americana especializada em soluções de segurança, afirma que, só na América do Norte, em 2009, o comércio perdeu pouco mais de três bilhões de dólares devido a trapaças cometidas em pagamentos online, ou seja, 1,2% da receita total do setor. Globalmente, a perda é de mais 10 bilhões de dólares ao ano, de acordo com uma projeção feita a partir dos dados obtidos no continente norte-americano.

Apesar dos valores exorbitantes, nem tudo está perdido. É a primeira vez, desde 2003, que o índice sofre queda em relação ao ano anterior – em 2008, o saldo foi de 1,4%. Outro dado interessante é que o percentual de transações autorizadas que, mais tarde, se mostraram fraudulentas, foi de 0,9%, dois décimos a menos se comparado ao ano anterior. Nunca antes o índice havia ficado abaixo do 1%.

Curiosa é a diferença existente entre o valor das transações legais e as fraudes. Enquanto os pagamentos que se concretizam têm um gasto médio de 115 dólares por compra, os criminosos tentam extrair em média 200 dólares. 

Vetados
Devido aos problemas com fraudes no comércio eletrônico, muitas companhias se recusam a vender para países específicos (20%), ou para qualquer nação no exterior (5%). Mesmo as empresas que oferecem tal facilidade afirmam que, em média, o número de transações rejeitadas devido a suspeitas de irregularidade é três vezes maior em relação às vendas no mercado doméstico. A proporção significa que, em cada 13 encomendas internacionais, uma é bloqueada.

Ainda assim, a situação tem se equilibrado. Se em 2008 4% das transações internacionais foram identificadas como fraudulentas, em 2009 esse número caiu dois pontos percentuais. Nacionalmente a diferença foi bem menor, de 1,1% para 0,9%. Se a tendência se mantiver, é bem capaz que nos próximos anos o número de lojas que recebem encomendas do exterior aumente – atualmente, só 54% delas aceitam requerimentos de outros países que não o próprio.

Na lista das nações com maior índice de rejeição, a Nigéria lidera; 50% das lojas pesquisadas não vendem para o país. Em segundo lugar vem Gana, 45%, com a Indonésia e a Malásia atrás, 30%. O Brasil está em sétimo lugar, sendo preterido por 15% das empresas de comércio eletrônico.

Brasil
No País, as perdas com fraude no comércio eletrônico giram em torno de 500 milhões de dólares ao ano, ou 1,2% de todos os pagamentos – similar ao índice global.

Para Doug Schwegman, diretor da CyberSource Corporation, que deu palestra durante o E-Commerce Summit, realizado nesta quinta-feira (6/05), em São Paulo, o Brasil deve compartilhar o conhecimento que tem sobre fraudes nos pagamentos online, para que, a partir de parcerias globais, possa aprimorar as práticas a fim de solucionar problemas com as vendas pela internet.

Fonte: IDG Now – Por Ricardo Berezin